quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Índios Tembés apreendem caça ilegal em Santa Luzia

Índios da etnia Tembé do auto Rio Guamá, localizada em Santa Luzia do Pará, realizaram na tarde de hoje (28), a apreensão de vários animais abatidos por caçadores que entram ilegalmente na reserva indígena, cometendo crimes de todas as especies e colocando a vida dos Tembés em risco, pois os mesmos andam fortemente armados. 

Os invasores estavam em um bando de aproximadamente 05 pessoas, nas proximidades das aldeias Ytahu e Marapinima quando foram surpreendidos pelos verdadeiros donos da reserva, que agiram rapidamente, utilizando-se de suas habilidades e o alto conhecimento da floresta, o que foi o suficiente para conseguir expulsar temporariamente os criminosos do local.

De acordo com informações, o bando seria composto por posseiros que já foram retirados do local pela FUNAI e o INCRA mais até o presente momento ainda encontram-se morando na área, desmatando e destruindo o eco-sistema por onde passam, sob a alegação que ainda tinham plantações e teriam que aguardar o período da colheita, o que ocasionou no vencimento do prazo dado pelo cacique Naldo Tembé em mais de 90 dias. Agora é aguardar o bom senso e torcer para que não haja mais conflitos pela disputa da terra.

Santaluziagrado e a guerra pela sobrevivência


Stalingrado entrou na história mundial como a batalha que dizimou cerca de 2 milhões de pessoas durante a 2° guerra mundial. As tropas Nazistas de Hitler cercaram a pequena cidade que homenageava seu líder, Stalin. 

O povo durante a guerra começou a morrer de fome, a matar um ao outro, a morrer de doenças e executados por rifles e canhões. Quem tentava sobreviver tinham apenas tickets de pão (gramas) que o governo Stalinista mandava até o momento que Hitler cercou toda a cidade e ninguém entrava e nem saía.
A fome do povo era tanta que chegaram a dizer que Hitler era o salvador.

Santa Luzia do Pará, cerca de 200 km de capital paraense vive em completo drama, funcionários municipais estão com seus salários atrasados e nem podem cobrar satisfação por isso, não se tem comidas nas panelas de vários cidadãos, não se tem remédio e vacina nos postos de saúde. O que o governo municipal tanto deseja? Pressão, torturas psicológicas entre outras são momentos de diversão para o prefeito e seus secretários que deixam o povo refém e sem saída, fora a perseguição politica. 

Alguns começam a dizer que o prefeitor é o salvador, e não percebem que estão cercados pelo autoritarismo do mesmo. E se a estratégia do Dr° mentira é deixar o povo com fome, doente para que possam mendigar no portão da casa amarela, as migalhas que caem não serão o suficientes para alimentar o povo que a Quadrilha Azul está matando. Mas afinal o que aconteceu nesta terra querida? Onde o povo acostumava a passear pelo Calçadão de Todos felizes, onde se tinha bolsa famílias, saúde para todos e qualidade de vida.


Não desejamos entrar na historia dessa maneira, renomear a nossa cidade para Santaluziagrado e sermos exterminados pelo Adamor Hitler e seu exercito "Quadrilha Azul" e morrer de fome e doentes. Quem pode nos ajudar, cruza os braços para a situação e aplaude o desgoverno do ditador. Abriu-se o cerco e agora nos resta nos unir e entrar na luta pela nossa cidade morena que tanto nos orgulhou como referencia no nordeste paraense. 

Chega de tanto sofrimento, chega de tantas dores, o povo não pode continuar a viver sobre pressão ditatorial do Dr° Mentira e fazer dos funcionários, dos eleitores, da juventude, das mulheres e do povo brinquedos eleitorais. 
Escreveremos nossa história de uma outra maneira " Na ponta de minha baioneta escrevi a historia de minha libertação". Viva a Democracia no Brasil e viva o povo luziense!!!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Lula defende comunicação alternativa: “Não vou mais reclamar da falta de espaço”

Durante ato pelos 30 anos da CUT, ex-presidente diz que não se pode esperar cobertura positiva de formadores de opinião 'que não gostam de gente progressista'

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu hoje (27) que o movimento sindical e os setores progressistas da sociedade invistam mais na organização de seus próprios meios de comunicação, em vez de esperar imparcialidade da mídia tradicional em relação aos governos e às reivindicações de esquerda. Para ele, é preciso parar de reclamar por não ter saído no jornal ou ganhado destaque na imprensa. Os chamados formadores de opinião, disse Lula, eram contra as eleições diretas para presidente, contra o impeachment de Fernando Collor e contra a eleição dele e da atual presidenta, Dilma Rousseff.

Em ato pelos 30 anos da CUT, que serão completados em agosto, Lula disse que o próprio movimento sindical tem um aparato ‘poderoso’ de comunicação, mas desorganizado. “Quero parar de reclamar que os que não gostam de mim não dão espaço. Por que a gente não organiza o nosso espaço? Por que a gente não começa organizar a nossa mídia? Nós sabemos o time que temos, o time dos adversários e o que eles querem fazer conosco. Vocês têm de analisar qual é o espaço de imprensa que o movimento sindical tem.”

Dirigindo-se ao presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, Lula afirmou que a entidade tem de “dar um salto” e passar a atuar mais no auxílio aos movimentos sociais com pouca estrutura. “Não é apenas a luta corporativa. Esse economicismo é bom, mas não é tudo. Faça todas as brigas que tiver de fazer, internamente, mas quando terminar a CUT tem de ir pra rua. A CUT não nasceu para ficar dentro de um prédio.”

Segundo Lula, um dos criadores da CUT, em agosto de 1983, o radicalismo da central era necessário, nos primeiros momentos, para se firmar. “As pessoas não convidavam a gente para a festa deles. Tínhamos de falar grosso para subir um degrau. O importante é não perder o limite, a compreensão, as possibilidades da luta política, da correlação de forças.”

Assim, acrescentou, o movimento sindical não pode abrir mão de reivindicar, mas deve também saber negociar. “Se vocês virarem dirigente sindical chapa-branca, não vale a pena. Se for só do contra, também não vale a pena. Para valorizar o que a CUT tem feito e vai fazer, temos de imaginar como seria o Brasil sem ela. É preciso repensar o papel histórico da CUT.”

O ato teve a presença de todos os ex-presidentes da central: Jair Meneguelli (1983-1994), Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (1994-2000), Kjeld Jakobsen (interino, de maio a agosto de 2000), João Felício (2000-2003), Luiz Marinho (2003-2006) e Artur Henrique (2006-2012). Dois prefeitos foram à cerimônia – o próprio Marinho, reeleito em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, e Carlos Grana, de Santo André.
(Vitor Nuzzi, Rede Brasil Atual)

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

CNM: Em um mês, quantidade de Municípios impedidos de celebrar convênios chega a 80%


Mais de 80% dos Municípios brasileiros, um total de 4.458, não pode celebrar qualquer tipo de convênio com a União, aponta pesquisa da Confederação Nacional de Municípios (CNM). Há 30 dias, quando o governo federal promoveu o Encontro Nacional com Prefeitos e Prefeitas, em Brasília, a CNM divulgou estudo semelhante. Nesta primeira análise, 3.589 Municípios estavam irregulares no Cadastro Único de Convênios (Cauc), portanto, em um mês houve aumento de 24,2%.
Com este resultado, a quase totalidade de gestores municipais não pode captar os recursos oferecidos pela presidente da República, Dilma Rousseff, para convênios e programas. Pois, com a não regularidade no Cauc da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), não há viabilidade para isso.
A pesquisa feita pela entidade considera quatro requisitos fiscais, que constam no Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias do Cauc. São eles: obrigações de adimplência financeira, adimplemento na prestação de contas de convênios, obrigações de transparência e adimplemento de obrigações constitucionais ou legais.
A situação nos Estados
O Piauí é o Estado com maior número de Municípios com itens a comprovar. De um total de 224, 216 deles - ou 96,4% -, não podem firmar convênios com o governo federal. Em seguida vêem Amazonas (95,2%), Pará (95,1%), Tocantins (95,0%) e Pernambuco (94,6%).
Entre os Estados com o menor porcentual estão Mato Grosso do Sul (53,8%), Rio Grande do Sul (56,9%) e Paraná (68,2%). Mesmo assim, o número de Municípios em situação irregular no Cadastro é significativo, constata a CNM.
A Confederação esclarece que os dados do Cauc são atualizados frequentemente e, os números apontados na pesquisa levam em consideração as informações divulgadas pela STN até o dia 20 de fevereiro. Portal CNM.

Com 9 milhões no caixa, Prefeito de Santa Luzia decreta estado de emergência

Como já era de se esperar, o então prefeito da "Terra Querida" muito preocupado com a verdadeira casa de mãe Joana em que estava transformando-se a sua administração, resolveu decretar estado de emergência, com o objetivo de reunir em sua pessoa "nenhum pouco egocêntrica",  plenos poderes sobre os mais de 9 milhões de reais que estão acumulados nas contas da prefeitura de Santa Luzia do Pará, recursos provenientes das arrecadações municipais e repasses do Governo Federal que estão nos cofres públicos desde o dia 01 de outubro de 2012. Período em que o atual gestor municipal sagrou-se de forma muito duvidosa, vencedor das eleições.

O decreto 012/2013 tenta desesperadamente passar uma imagem de que o responsável por todo o descaso em que encontra-se o município de Santa Luzia, seria o ex-prefeito Lourival Fernandes de Lima (PT), mais em nenhum momento ele assume que era Zaqueu Salomão (PSD), colocado no cargo pelo atual prefeito, quem estava há 10 meses no poder, depois do maior golpe a soberania do povo Luziense de todos os tempos, e que era a famigerada "Família 22" quem assumiu o comando financeiro do município durante todo esse tempo.  

Na próxima postagem, vamos apresentar o demonstrativo completo da arrecadação municipal, durante este período e desmascarar mais essa tentativa de ludibriar o povo Luziense, em especial os servidores públicos municipais, que já descobriram que eram felizes e não sabiam, no tempo em que o prefeito Louro estava administrando o município.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Supostas irregularidades no Carnaval Luziense devem ser pautadas nos próximos debates da Câmara de Santa Luzia

A denuncia que foi feita no Facebook, agora deve ser investigada pela bancada de oposição da atual administração de Santa Luzia do Pará. Conversando com alguns Vereadores que compõem a oposição do então prefeito Adamor Aires (PR), nossa equipe pode observar que as supostas irregularidades no Carnaval Luziense, devem ser pauta das próximas sessões na Câmara Municipal de Santa Luzia do Pará.

"Quem observou o Outdoor do CarnaLuzinese 2013, identificou facilmente que a festa que já foi uma das melhores da região, foi financiada pelo governo golpista que instalou-se em Santa Luzia do Pará, que por sua vez terceirizou o evento para familiares do atual prefeito.

A farra com os recursos públicos é tamanha que eles entregaram como o esquema funcionava, no próprio outdoor de divulgação, onde aparece o nome do sobrinho do prefeito eleito de forma bastante duvidosa e o cão de guarda número um do gestor municipal como realizadores da festa, e a prefeitura apenas como apoio.
Alô MINISTÉRIO PÚBLICO, chegou a hora de agir e acabar com esse tipo de irregularidade. Estamos de Olho".

Na verdade, essa é a forma que a tal família 22 encontrou para governar o município de Santa Luzia do Pará. Foi para se utilizar desse tipo de prática que eles passaram por cima de tudo e de todos para chegar ao poder em nosso município. Agora cabe ao Ministério Público tomar as medidas cabíveis.