domingo, 28 de agosto de 2011

Phelipe Pimentel e a reforma da escola João Gomes

O Correio Luziense realizou uma visita nas dependências da Escola Municipal João Gomes, que está sendo reformada e ampliada sob a coordenação do companheiro Phelipe Pimentel que nos relatou sobre as diversas alterações que a unidade escolar passará.
Dentre as novidades a Escola contará com suas salas climatizadas, padrão que vem sendo implementado na gestão do Prefeito Louro, além do segundo pavimento que contará com laboratórios e um auditório com capacidade para 200 pessoas.
As obras estão a todo vapor pois a intenção é que seja entregue o mais breve possível, pois a inauguração está prevista para o dia 30 de Setembro.

sábado, 27 de agosto de 2011

“Minha Casa, Minha Vida 2” atenderá indígenas, quilombolas e pescadores


O deputado Miriquinho Batista (PT-PA) elogiou em pronunciamento no plenário esta semana a implementação pelo governo Dilma do programa habitacional "Minha Casa, Minha Vida 2", lançado este ano com a meta de entregar 2 milhões de moradias populares até 2014, o dobro da meta da primeira etapa do programa.
"A conquista da casa própria é um sonho que vai se tornar realidade para que brasileiros e brasileiras possam viver com mais dignidade", disse.
O parlamentar petista ressaltou que, atendendo reivindicação dos movimentos sociais do campo, a Caixa Econômica Federal adequou o crédito facilitado para atender a realidade de várias populações, como indígenas, extrativistas, quilombolas, pescadores artesanais e agricultores familiares, que ganham até R$ 10 mil por ano.
No campo, destacou Miriquinho Batista, é difícil contratar empresas porque as casas são feitas a quilômetros uma das outras, e os métodos de trabalho são diferentes dos verificados nas cidades. "Em vez de empreiteiras, a Caixa vai ter de se relacionar com o público por meio de contratos coletivos com entidades civis, prefeituras e governos estaduais para projetos de quatro a 50 famílias cada", explicou.
O deputado também esclareceu que a entidade poderá ser uma cooperativa de produção ou associação de moradores e precisa ter capacidade de tocar a obra e de contratar os profissionais necessários. As casas construídas terão padrão mínimo, com garantia de acesso à água de boa qualidade e a tratamento de esgoto.
"Nos próximos quatro anos, serão liberados R$ 2 bilhões do Orçamento da União e do FGTS para a construção de 60 mil casas que vão beneficiar exatamente essas populações que ganham até R$ 10 mil. Então, quero parabenizar o governo Dilma pela importância desse programa, principalmente para essa população mais carente", finalizou Miriquinho Batista.
Gizele Benitz

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Mário “Tapiocouto” Investigado pelo MPF por fraude,corrupção


Coordenador de uma comissão externa instalada na Câmara, em 27 de abril, para acompanhar as investigações em curso no Pará, como instrumento de subsídio para o trabalho do Ministério Público Federal (MPF), Cláudio Puty disse que a “série de falcatruas” atribuídas à gestão de Mário Couto é o mais grave escândalo da Alepa.
“Como as investigações demonstram que os espetos na casa do senador Mário Couto eram de pau, ele provavelmente não se sente mais tão à vontade para posar de paladino da moralidade. Há uma avalanche de denúncias na Procuradoria-Geral da República [PGR] que o envolvem numa das maiores falcatruas da história do Pará”, afirmou o deputado, referindo-se à ação movida há duas semanas pelo diretório nacional do PT, na figura do presidente, Rui Falcão, contra o tucano.
Puty explica que a comissão dá respaldo e visibilidade às apurações do MPF, bem como ao Ministério Público do Pará, onde foi iniciado o trabalho investigativo. “As denúncias seguem em três linhas: fraude em folha de pagamento, com funcionários fantasmas e laranjas; fraude em licitações; e sonegação e evasão fiscal, uma vez que, com a fraude na folha, a consequência é o não pagamento de tributos”, acrescenta o petista.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

STF garante plebiscito em todo o Pará


Mesmo antes do final da votação do Supremo Tribunal Federal (STF), o resultado favorável à participação de todo o estado no plebiscito não deverá ser alterada. Até o momento, todos os sete ministros que declararam voto concordaram que a divisão afetaria o estado com um todo, e toda a população deve ser consultada.
Os ministros do STF julgam a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) que questiona a Lei 9.709 de 1998. A lei prevê a participação de toda a população estadual nos plebiscitos realizados para decidir desmembramentos de territórios para formação de outros Estados. A Adin foi ajuizada pela Assembleia Legislativa do Estado de Goiás e tem o apoio dos grupos pró-Carajás e pró-Tapajós. A interpretação dos defensores da ação é que apenas os municípios que poderão formar os novos Estados são parte interessada na divisão. O artigo 18º da chamada “Lei do Plebiscito” seria inconstitucional.
Iniciando a sessão, o ministro Dias Toffoli, relator da matéria, declarou voto contrário à ação por acreditar que toda a população do Estado deve ser consultada sobre a divisão, pois todos seriam afetados, e não somente as regiãos desmembradas. Prosseguindo com a  votação, Luis Fux, Carmem Lúcia, Ricardo Lewandowski, Ayres Britto e Gilmar Mendes acompanharam o voto do relator e se posicionaram contra a ação, favoráveis à participação de todo o Estado no plebiscito.
Para o ministro Marco Aurélio, o sétimo a votar, a redistribuição nos fundos estaduais e municipais afetaria a todos os estados do País, declarando voto contrário a ação e favorável à extensão do plebiscito não apenas a todo o estado do Pará, mas a todo o território nacional. Os ministros Celso de Melo e Cezar Peluso também julgaram improcedente a ação.
Com as ausências do ministro Joaquim Barbosa (licença médica) e da ministra Ellen Gracie (aposentada), a sessão foi encerrada após os nove votos, todos contrários à ação e favoráveis à decisão do Tribunal Superior Eleitoral de extender a votação a toda população do estado do Pará. (DOL)

Setran vai recuperar 145 quilômetros da PA-279

A principal via de integração entre cinco municípios da região sul do Pará, a PA-279, será recuperada pelo governo do Estado, por meio da Secretaria de Transportes (Setran). As obras serão concentradas em 145 quilômetros da rodovia, para oferecer condições de trafegabilidade e garantir segurança a motoristas e passageiros.

Foto/Internet - Carajás Vip Revista

Foto/Internet - Carajás Vip Revista

O trecho liga os municípios de Xinguara, Água Azul do Norte e Ourilândia do Norte. A PA-279 tem uma extensão de 240 quilômetros, e dá acesso ainda aos municípios de Tucumã e São Félix do Xingu.

O estado precário em que está a rodovia é motivo de reclamação pelos usuários. Para agilizar o serviço de recuperação do trecho entre Xinguara e Ourilândia, a Setran já lançou edital de concorrência nacional para contratar empresa especializada.

MP cobra reativação do atendimento da Oi e da Embratel no Estado

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com uma ação na Justiça cobrando a reativação do serviço de atendimento pessoal a clientes das empresas de telefonia Embratel e Oi no estado. O MPF também quer que a Justiça estabeleça com urgência prazo de 30 dias para as empresas apresentarem planos de ações necessárias ao atendimento pessoal dos usuários, sob pena de multa diária de R$ 100 mil.

Na ação, o procurador da República Bruno Araújo Soares Valente pede que a Embratel e a Oi sejam obrigadas a instalar, em 30 dias, postos de atendimentos em todos os municípios em que atuam no estado. O MPF também pediu o pagamento de R$ 75 milhões pelas empresas em indenização por danos morais coletivos e que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) acompanhe o cumprimento das medidas.

A Embratel informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a política da empresa é não comentar questões judiciais. A Oi informou que ainda não foi citada sobre a ação mencionada.

Mistura Regional une o balanço do carimbó às lendas amazônicas

Na próxima sexta-feira, 26, a Estação das Docas abre espaço para mais uma atração cultural dentro do do Projeto Por do Som. O grupo convidado dessa vez é o Mistura Regional, que promete colocar o público para dançar com o melhor do carimbó e das lendas amazônicas.

Foto: Reprodução / Aniversário da Estação das DocasCerca de vinte dançarinos e onze músicos se apresentarão, por quase uma hora, mostrando aos visitantes e aos frequentadores da Estação um apanhado das lendas amazônicas e dos ritmos parauaras. “Preparamos novas coreografias para retratar lendas como a da Vitória Régia e da Matinta Pereira, além de uma performance de carimbó que batizamos de ‘Pisa na Areia’”, explica Bruno Santiago, vice-presidente do grupo.

Segundo ele, as apresentações na Estação são sempre uma oportunidade gratificante. “A Estação sempre atrai muito público, principalmente turista, isso faz toda diferença. Eles gostam muito das nossas representações do folclore e das lendas da Amazônia”, destaca Bruno Santiago.

Prova disso é que na última segunda-feira, 22, quando foi comemorado o Dia Mundial do Folclore, a Estação ficou repleta de turistas como Mattias Olofsson, da Suécia. “É a primeira vez que venho a Belém e achei muito bonitas essas apresentações que mostram a cultura daqui”, comentou, durante apresentação do Grupo Trilhas da Amazônia.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Sessão solene homenageou 30 anos da Conclat


Para marcar a passagem dos 30 anos do evento que mudou a história do sindicalismo brasileiro, foi realizada nesta terça-feira (23), uma sessão solene.


O evento, realizado na cidade de Praia Grande, litoral de São Paulo, reuniu mais de cinco mil trabalhadores e trabalhadoras de todo o País, vinculados a sindicatos dirigidos pelas mais diversas correntes do movimento sindical.
Presenciaram a sessão solene diversos participantes da conferência, além de militantes e dirigentes sindicais, como o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Artur Henrique da Silva.
Propositor da homenagem, o deputado Vicentinho (PT-SP) recordou que a CONCLAT foi o espaço onde se decidiu a criação da CUT. “Aquele momento, em plena ditadura, uniu o povo brasileiro. E foi naquele congresso que se definiu a criação da Central Única dos Trabalhadores. Parte do movimento não queria, mas num gesto de ousadia resolvemos criar a CUT. Depois vieram outras centrais e movimentos sociais”, saudou Vicentinho, que era vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Diadema e São Bernardo do Campo (SP) na época da CONCLAT.
O deputado Amauri Teixeira (PT-SP) enalteceu a mudança de rumos do sindicalismo brasileiro após a Conclat. “Foi a partir dessa conferência que o ‘novo sindicalismo’ ganhou impulso, que os pelegos foram destituídos dos sindicatos e os verdadeiros representantes dos trabalhadores começaram a assumir a luta”, lembrou Teixeira.
A deputada Janete Rocha Pietá (PT-SP) falou sobre o contexto daquele período e sobre as lutas atuais na Câmara. “Trinta anos, historicamente, é um tempo pequeno, mas, para nós, revendo aquele momento, parece que foi ontem. Era um momento de ebulição e de confronto, vi tanques nas ruas por conta das greves. E hoje, nesta casa, precisamos reforçar a luta dos trabalhadores, pela redução da jornada de trabalho sem redução dos salários, pela equidade entre mulheres e homens, entre outras pautas”, destacou Janete, que participou da Conclat.
Outros deputados petistas que discursaram durante a sessão solene em homenagem à Conclat foram: Assis Carvalho (PT-PI), Eudes Xavier (PT-CE) e Fernando Ferro (PT-PE). A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) e os deputados Alessandro Molon (PT-RJ) e Waldenor Pereira (PT-BA) também prestigiaram a solenidade.

domingo, 21 de agosto de 2011

Manifestantes se reúnem em frente ao Congresso Nacional para protestar contra a construção da Usina de Belo Monte


Sob forte calor e baixa umidade do ar, cerca de 100 pessoas se reuniram em frente ao Congresso Nacional, para protestar contra a construção da Usina de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará. A mobilização, que juntou indígenas e defensores do meio ambiente, faz parte de um conjunto de manifestações que ocorreram em outras cidades brasileiras no Dia Internacional da Ação em Defesa da Amazônia. 

No encontro, que durou cerca de duas horas, os manifestantes fizeram meditação e dançaram seguindo o índio Olavo Wapichana, de Roraima, hoje estudante de engenharia florestal na Universidade de Brasília (UnB). “Estamos aqui para mostrar o que a gente quer”, disse Olavo, ressaltando que toda obra que afeta áreas de proteção, como as terras indígenas no caso de Belo Monte, são preocupantes. 

Olavo Wapichana reclama que os indígenas não foram ouvidos e critica a autorização dada pela Fundação Nacional do Índio (Funai) durante o licenciamento ambiental da obra. “Fizeram isso sem a nossa permissão”, salienta. “Agora, é necessário que o governo e o mundo nos escutem.” 

O historiador Leandro Cruz, que também participou da manifestação em Brasília, diz que os indígenas estão dispostos a resistir à construção da obra. Cruz lembrou que, além da retirada das populações tradicionais, há a questão dos efeitos que a chegada de milhares de trabalhadores poderá gerar na região. 

Para ele, o empreendimento “não é vantajoso” para o país, porque destrói o meio ambiente, elimina recursos naturais, dos quais não se sabe o “potencial bioquímico” para a fabricação de fármacos, e dizima a cultura “ancestral” de povos da floresta. Apesar dos riscos, o historiador diz que a sociedade brasileira ainda não tomou conhecimento do impacto que a obra causará. “É uma luta bem difícil”, admite. 

O projeto de construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte surgiu na década de 1970. Somente em 2010, o governo federal autorizou a obra – quando o Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) deu a licença prévia para o empreendimento. 

Em junho deste ano, o Ibama liberou a licença de instalação quando anunciou que o projeto final da hidrelétrica teve o volume de escavação reduzido em 77 milhões de metros cúbicos (43% do previsto) e que o consórcio Norte Energia, responsável pela obra, deverá investir recursos de compensação em saúde, educação, saneamento e segurança pública nas cidades de Altamira e Vitória do Xingu, no Pará. 

Protestos contra a construção de Belo Monte também deverão ocorrer no exterior. Segundo os movimentos Brasil pela Vida nas Florestas e Xingu Vivo para Sempre e a Frente Pró-Xingu, haverá protestos na próxima segunda-feira (22) nos Estados Unidos, na Alemanha, na Inglaterra, na Noruega, no Irã, na Turquia e na Austrália, entre outros países. 


Ativistas mobilizam-se no Brasil e no exterior contra Usina de Belo Monte

Os movimentos Brasil pela Vida nas Florestas e Xingu Vivo para Sempre e a Frente Pró-Xingu querem fazer deste sábado – Dia Internacional da Ação em Defesa da Amazônia – um dia de protesto contra a construção da Usina de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará. As organizações alegam que 80% das águas do Xingu serão desviadas e que mais de 20 etnias indígenas ficarão desabrigadas após a construção da hidrelétrica. 

Os ativistas programaram manifestações em Belém, Brasília, no Rio de Janeiro e em São Paulo, e protestos contra a obra em mais 11 cidades. Segundo os movimentos sociais, haverá manifestações também na próxima segunda-feira (22) em cerca de 20 cidades em 16 países - entre eles, os Estados Unidos, a Alemanha, a Inglaterra, a Noruega, o Irã, a Turquia e a Austrália. Os protestos serão em frente às embaixadas e consulados brasileiros. 

Para Clarissa Beretz, do Movimento Brasil pela Vida nas Florestas, a mobilização internacional contra a usina é estratégica. “Quando vira uma questão mundial, os holofotes voltam-se para ela”. Este ano, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA) recomendou que o Brasil suspendesse as obras da usina. 

Além da OEA, organização da qual o Brasil faz parte, entidades estrangeiras com forte influência na opinião pública internacional, como a Amazon Watch e a Anistia Internacional, criticam a obra. 

Clarissa Beretz espera que, com a visibilidade no exterior, o governo mude a posição “intransigente” e converse “democraticamente” com as os movimentos contrários à hidrelétrica. “Sabemos que o país precisa de energia, mas queremos discutir alternativas”, disse ela, ressaltando que o o potencial da luz solar e dos ventos (energia eólica) podem ser mais bem aproveitados. 

Na opinião da jornalista Verena Glass, a construção de Belo Monte chama a atenção internacionalmente por causa do impacto na Amazônia, por causa da violação de direitos humanos dos povos indígenas e porque fere tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário. “Com que cara vamos sediar a Rio+20?”, pergunta Verena, referindo-se à principal conferência ambiental internacional que o Brasil sediará no próximo ano. 

Segundo a jornalista, os movimentos sociais também vão questionar a atuação de bancos públicos e privados no financiamento de obras como Belo Monte. De acordo com Verena, os principais bancos brasileiros participam de acordos internacionais que restringem o financiamento de atividades de impactos social e ambiental negativo. 

Em nota, o consórcio Norte Energia S.A., responsável pela construção da usina, diz que “respeita as opiniões contrárias ao projeto de Belo Monte, embora sejam fruto da desinformação”. 

Segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao Ministério das Minas e Energia, o Brasil faz uso de fontes alternativas de energia. De 2004 a 2010, foram contratados cerca de 10 mil megawatts (MW) de energia solar, eólica e de biomassa. A Usina de Belo Monte terá capacidade plena de 11 mil MW por ano e vai operar em média com 4,5 mil MW. 

A obra já rendeu 13 ações de contrárias do Ministério Público, entre elas uma que questiona a constitucionalidade do processo que autorizou a obra. O Congresso Nacional, em julho de 2005, autorizou o Executivo a fazer “o aproveitamento hidroelétrico” de Belo Monte, mas sem ouvir as comunidades indígenas afetadas, como prevê o Artigo 231 da Constituição Federal. 

Torcidas de Remo e Paysandu querem times em ação


Seriam Leão e Papão exóticos irmãos siameses, aqueles gêmeos que estão ligados ao mesmo corpo humano? Se analisarmos a espécie dos mascotes da dupla mais famosa do futebol do Norte do país, seria impossível. Mas se na hora dessa fusão for posta em conta a “valorização do futebol paraense”, ela é totalmente aceitável. Pelo menos é o que dizem os dirigentes.
Ao longo dessa semana, a diretoria azulina, por meio de Ronaldo Passarinho, vice-presidente jurídico do clube, e do próprio presidente Sérgio Cabeça, declararam que pretendem fazer uma espécie de pacto com os bicolores. O objetivo da união é um Re-Pa na final do Campeonato Paraense 2012. Há seis anos o confronto não marca a decisão do certame local. “Não será uma forma de favorecimento do Clube do Remo e nem do Paysandu. Mas sim a valorização do futebol paraense”, garante o presidente Cabeça.
Não apenas isso. A possível parceria entre as duas agremiações visa voos mais altos. “Faz muito tempo que estamos fora do âmbito nacional e isso não é bom para nenhum dos dois clubes. Estamos de portas abertas para esta conversa, até porque temos uma amizade extracampo, que vai além da rivalidade dos gramados”, coloca Toninho Assef, vice-presidente do Paysandu Sport Club.
Mesmo ainda não havendo nenhuma conversa formal entre azulinos e bicolores, a inusitada união divide opinião entre os torcedores. “Se for apenas para fazer uma imagem bonita no Parazão e não se preocupar com planejamento e o Campeonato Brasileiro, essa parceria não tem muita importância”, é o que acredita o produtor cultural bicolor, Márcio Cruz, 30 anos. Para ele, mais importante que esse discurso é ver as duas equipes montando equipes competitivas que ofereçam prazer aos torcedores na hora de ir ao estádio. “É melhor que cada um se planeje pra fazer o público voltar ao estádio pelo bom futebol, não por clássicos do passado. Não adianta forçar clássicos com times medíocres. Se for dessa forma, até mesmo de graça a torcida não vai”, considera.
Para o advogado Adilson Verçosa, torcedor fanático pelas cores do Leão, a união é válida pela questão financeira. “Como os dois titãs do futebol paraense estão de ‘caixa baixa’, essa proposta é válida. Esse ano os clubes não tiveram lucro. A final entre Independente e Paysandu não lotou o estádio, como ocorre em um clássico entre Remo e Paysandu”

Equipe da PMC e engenheiros da UFRA visitam o terreno das futuras instalações da Universidade.

O prefeito Eslon Martins acompanhado pelo Secretário municipal de obras Afrânio Feijão e uma equipe de engenheiros da UFRA esteve visitando nesta manhã (18) o terreno onde será construído o Campus da Universidade Federal Rural da Amazônia. A visita tratou do início das obras e do que será construído a princípio.

4 blocos onde abrigarão os cursos e uma casa serão as primeiras obras a serem feitas e devem começar ainda no início do ano que vem no terreno fica localizado na avenida Barão de Capanema no Bairro da Caixa d água.
Segundo Sergio Pinheiro diretor da UFRA no município. “a nossa meta é que a construção comece ainda no início do ano que vem por isso trouxemos os engenheiros para que eles verificassem o espaço do terreno.” disse Sergio. “as obras devem começar no início do ano que vem.” afirmou. A UFRA vem trazer um novo tempo na educação de Capanema e região e disponibilizará 8 cursos.“um avanço para a educação não só de Capanema mas de toda a região.” concluiu ele.

o prefeito Eslon Martins falou com entusiasmo sobre a visita. “ a UFRA é uma conquista e empenho nosso e em breve estará funcionando no município depois de tanta luta a UFRA é uma realidade.” disse Eslon Martins.

Vereador de Pirabas é cassado e perde mandato!

A câmara de vereadores do município de São João de Pirabas, em sessão realizada na manhã de sexta,19, cassou o mandato do vereador Ednaldo Oliveira Reis “Naldo dos correios” (PMN). A decisão dos edis foi fundamentada no artigo 19, parágrafo 2º da Lei Orgânica do Município, e no parecer da Comissão Parlamentar de Inquérito, solicitada pelos vereadores Francisco Junior (PR), Janilson Mattos (PSDB) e Tadeu Freitas da Roza (PMDB) e instalada para apurar a denúncia de quebra de decoro parlamentar por calúnia, difamação e injúria contra o poder legislativo.

Contra o vereador cassado, foi apresentada à CPI, a gravação de um CD e a degravação do conteúdo das declarações feitas por Ednaldo Oliveira Reis, durante sua participação diária num programa matinal da rádio comunitária Pirabas FM.

Na sua defesa, Ednaldo Reis declarou que a voz gravada não era a sua e, desconsiderou a gravação, alegando que áudio era falso.

O relatório da CPI presidida pela vereadora Aranildes Costa (PT), tendo como relator o vereador Antonio Menezes (DEM), apresentado ao plenário, foi aprovado por 7 votos a 1, com 1 abstenção; mesmo escore que decidiu pela cassação de Ednaldo Reis. A decisão ainda cabe recurso.

O presidente da casa, Amarildo de Jesus (PR) convocou para a próxima sessão a posse do suplente Valdemir da Costa Holanda (PMN).

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Garota Safada em Capanema recorde de publico!


Mais fotos acesse: www.portlcapanema.net.com

Imagem de Nossa Senhora de Nazaré vai a Salvador

A Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré vai nesta quinta-feira (18) a Salvador (BA) para participar da Exposição “Círio de Nazaré em Salvador”, realizada pela Diretoria da Festa de Nazaré e pela curadora Darcilene Costa. A exposição ficará aberta até o dia 21 de agosto e deve receber cerca de 10 mil pessoas. A viagem marca o início das peregrinações que foram abertas na quarta-feira, 17, durante a Missa do Mandato.

A Imagem será recebida no Aeroporto Internacional Luiz Eduardo Magalhães e seguirá em carreata pela Orla de Salvador até a Catedral Basílica da cidade. Membros da Diretoria, guardas de Nazaré, padres da Arquidiocese de Belém e o governador da Bahia, Jaques Wagner acompanharão a Imagem neste percurso.

Na sexta-feira (19) será realizado o I Círio Luminoso de Nossa Senhora de Nazaré na Bahia. Ao final da romaria, uma missa dará início a Vigília Mariana. No sábado, o Cardeal Dom Geraldo Majella vai presidir a missa na Basílica. O encerramento da visita acontecerá no domingo com duas missas, uma delas presidida por Dom Gregório Paixão, bispo auxiliar de São Salvador da Bahia.

A volta a Belém está prevista para a noite de domingo. As viagens são organizadas pela Diretoria da Festa para levar Nossa Senhora de Nazaré a outras regiões do Brasil. Em julho, a Imagem foi a Porto Alegre (RS) e em setembro ela irá a Brasília e ao Rio de Janeiro. “A idéia é que aos poucos todo o Brasil conheça um pouco do nosso Círio”, diz César Neves, diretor-coordenador do Círio 2011. (Ascom/Diretoria da Festa de Nazaré)

Programação da Visita da Imagem Peregrina a Bahia

18 de agosto de 2011

16h - Acolhida da imagem peregrina no Aeroporto Internacional Luiz Eduardo Magalhães e carreata pela Orla de Salvador até a Catedral Basílica.
19h - Recepção Festiva da Imagem de Nossa Senhora de Nazaré na Catedral Basílica de Salvador.

19 de agosto de 2011

09h30 - Saída da imagem da Catedral Basílica em direção ao Palácio Rio Branco na Pç. Municipal.
10h - Solene abertura da Exposição com Ícones do Círio com a presença do Cardeal Geraldo Majella Agnelo e autoridades baianas e paraenses.
19h - I Círio Luminoso de Nossa Senhora de Nazaré na Bahia com saída do Palácio Rio Branco e chegada na Matriz da Paróquia de Nazaré.
20h30 - Missa de Acolhida presidida pelo Cônego Juracy Gomes Oliveira - Pároco
22h - Início da Vigília Mariana que durará toda a noite.

20 de agosto

6h - Primeira Missa do dia (Missa a cada duas horas)
17h - Eucaristia presidida por Dom Geraldo Majella.
19h - Reza do Santo Rosário com coordenação do Grupo OPA

21 de agosto

6h - Primeira Missa do Dia
8h - Eucaristia presidida por Dom Gregório Paixão, bispo Auxiliar de
São Salvador da Bahia
17h - Missa de Encerramento e despedida da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré

Espofac de 02 a 11 de setembro

Adesão do Pará à independência do Brasil


“Há exatos 175 anos, em 15 de agosto de 1823, foi assinada a Adesão do Pará à independência do Brasil. Um fato que determinou a história recente do Estado. A adesão aconteceu quase um ano depois do famoso grito às margens do Ipiranga.

Isso porque, naquela época, o país era dividido em duas Capitanias: A província do Grão Pará e Maranhão e a Província do Brasil. Os dois territórios faziam parte da colônia Portuguesa, mas quase não havia comunicação entre eles. O Pará se reportava diretamente a Portugal e pouco contato tinha com o resto do país.

Por ordem do Imperador Dom Pedro I, a esquadra comandada pelo almirante John Pascoe Grenfell desembarcou em vários estados forçando os que ainda não haviam aderido à Independência, a aceitar a separação definitiva entre Brasil e Portugal. Mas a missão deveria ir apenas até a Bahia. Não havia ordens para chegar ao extremo norte. Mesmo assim, eles desembarcaram no Porto de Salinas no dia 11 de agosto de 1823, conta o historiador João Lúcio Mazzini.

Golpe – Um blefe de Grenfell convenceu os responsáveis pelo Estado a aceitar a adesão. O Almirante trazia uma carta que seria de Dom Pedro I. O documento comunicava que os governantes do Pará deveriam se unir ao Brasil, caso contrário teriam os territórios invadidos. A esquadra imperial estaria esperando em Salinas, pronta para bloquear o acesso ao porto da capital e assim sufocar a economia, baseada nas exportações.

No mesmo dia 11, foi convocada uma assembléia no Palácio Lauro Sodré, sede administrativa na época. Acreditando na história e temendo um ataque, os governantes preferiram aderir à Independência, sob a condição de que os postos e cargos públicos fossem mantidos. A adesão foi assinada quatro dias depois, data escolhida para o feriado. A ata com as assinaturas faz parte do acervo do Arquivo Público do Estado do Pará.

Foi uma revolução que não mudou absolutamente nada. Deixamos de pertencer ao império português e passamos a pertencer ao império brasileiro, mas para as pessoas comuns; negras, índias e pobres, não houve mudança, explica o historiador. Foi realmente um golpe. Era uma esquadra formada por 100 homens sob o comando de Grenfell, que tinha apenas 23 anos. A população de Belém era de pelo menos 15 mil pessoas. Não havia possibilidade de confronto.

Revoltas – A manutenção do poder com a adesão resultaria, três meses depois, na Revolta do Brigue Palhaço, quando 256 pessoas foram confinadas no porão do navio São José Diligente e morreram asfixiadas, sufocadas ou fuziladas. A repressão contra os movimentos populares naquele momento que também culminou na Revolta da Cabanagem, em 1835, explica Mazzina. Se não fosse por esta união entre o Pará e o Brasil, nossa situação hoje poderia ser diferente. Poderíamos ter evoluído para um Reino Unido a Portugal ou ao Brasil ou mesmo para um país independente”.

São João de Pirabas é referência turística

No início do século XX, a partir de 1901, a circulação de uma famosa embarcação movimentava o Ponto de Terminal Portuário a então na vila de Pirabas, o vapor “Amazon River Company”. Desde então a Zona do Salgado começou a se expandir e fortalecer cada vez mais o transporte marítimo. Banhado pelas águas do Atlântico, o município de São João de Pirabas é hoje uma referência turística para quem busca praias desertas, trilhas de aventura e pesca esportiva. Em julho, o Festival de Verão propicia música, lazer e entretenimento à população e visitantes de férias.

Imperdível

Ir até a área do ‘Navio Afundado’ e procurar gigante Mero, encontrado com certa facilidade no local. A pesca da espécie, contudo, está ameaçada de extinção e proibida a sua captura.

Como chegar: O acesso é feito pelas rodovias BR 316, PA - 124 e PA – 440. Localização: distante a 205km de Belém. Área: 701 km². População: 20.644 habitantes.

Peixes encontrados na região: Xaréu, Pirapema, Serra e Camurim.

Onde pescar: O rio Inajá, a Baía de Inajá, o Bico do Bule e a Ilha do Buraco são atrativos naturais de boas pescarias. Na ilha do Buraco tem uma laguna que na época certa fica cheia de pirapemas jovens, esses peixes são procurados por pescadores internacionais com o nome de Baby-Tarpon.

Quando pescar: As marés das luas de quarto crescente e minguante são as que atraem mais peixes à região. Agora, a melhor pescaria fica por conta dos meses do verão amazônico, tudo graças à água que nos meses de julho, agosto e setembro fica bastante limpa.

Onde ficar na cidade

Sítio Ecológico Lua de Prata - Entrada de São João de Pirabas, km 42 a 1,5km da estrada de Salinas. Telefone: (91) 3032-6999/ 3250-4449/ 9992-5825.

Pousada Pôr-do-Sol - Rua Antonio Barroso, 113 – Alegre. Telefone: (91) 3274 – 1606

Ibama multa prefeito de Curuçá por lixão

O Ibama multou nesta quarta-feira (17) o município e o prefeito de Curuçá, Fernando Alberto Cabral da Cruz (PMDB), cada um em R$ 5 mil por dia, por operar um aterro clandestino na cidade, a 170 km de Belém, no nordeste do Pará. A prefeitura ainda foi autuada em mais R$ 10 mil por não fornecer as informações solicitadas pelo instituto sobre o recolhimento, armazenamento, tratamento e destino final dos resíduos lançados no local, que funciona sem licença ambiental.

As multas diárias já valem a partir de hoje e só se interrompem após a implantação pelo município de um projeto técnico que regularize a destinação do lixo em Curuçá, desativando ou adequando o lixão às regras de proteção ao meio ambiente. “O despejo inadequado do lixo põe em risco a população ao contaminar o solo e as águas subterrâneas, e servir de foco de proliferação de ratos, baratas, moscas e mosquitos, que são vetores de doenças contagiosas”, explica o superintendente-substituto do Ibama no Pará, Alex Lacerda.

Os agentes do Ibama estiveram no aterro ilegal de Curuçá pela primeira vez no final de fevereiro deste ano. Na ocasião, os fiscais constataram que era a própria prefeitura que fazia os despejos dos resíduos sem cumprir as exigências da legislação ambiental. Em março, fizeram nova vistoria no local, quando notificaram o município a apresentar as autorizações e documentações do lixão, o que até hoje não ocorreu.

Durante a fiscalização, os fiscais ainda observaram um ônibus escolar, uma Kombi e um Fiat Uno – todos a serviço da prefeitura de Curuçá – na sede da empresa de industrialização de pescado do prefeito. As fotografias da presença dos bens públicos em lugar suspeito serão encaminhadas ao Ministério Público Estadual e Federal para apuração de possíveis irregularidades.

Nova lei: poder público é responsável

A adequação dos aterros irregulares à legislação ambiental é umas das medidas estabelecidas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, aprovada em agosto de 2010 pelo Congresso Nacional. A nova lei traz as diretrizes para o gerenciamento de resíduos sólidos no país, além de estabelecer as responsabilidades de quem produz o lixo (entre elas, contribuir para que ele tenha destinação correta) e as do poder público (recolher e dar destino ambientalmente adequado).

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Como a divisão do Pará mexe com você


Por Eduardo Suplicy.
O Brasil está a quatro meses de um plebiscito que poderá selar a criação de dois estados. Embora a consulta trate da divisão do Pará em três partes, há uma pressão no meio político e jurídico para que toda a população brasileira seja consultada, já que uma eventual criação de Carajás e Tapajós acarretará em gastos para a União e na criação de seis vagas de senador, além da redistribuição do número de cadeiras de deputados federais por estado. 
Para o jurista Dalmo Dallari, a expressão "população diretamente interessada" a que a Constituição se refere como parte alvo das consultas populares deve ser entendida como a população de todo o país, e não só a do Pará. Ele afirma que, nesse caso, toda a população brasileira é parte interessada. "É preciso lembrar que, com a criação dos estados, haverá a necessidade de que os cofres federais, ou seja, toda a população brasileira, paguem a instalação do aparato governamental." 
O custo estimado é de R$ 3 bilhões. 
Dallari entrou com pedido no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que a Corte reveja sua decisão de delimitar o plebiscito aos eleitores paraenses. No entanto, nos bastidores, qualquer mudança de planejamento é dada como praticamente impossível, uma vez que os ministros do tribunal já aprovaram em plenário a extensão do plebiscito e a sua data, 11 de dezembro. No Pará, tanto os favoráveis quanto os contrários à divisão defendem que o plebiscito seja restrito ao estado. 
A tese defendida pelo jurista também foi encampada pelo senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que usou a tribuna do Senado para criticar a forma como o plebiscito foi definido pelo TSE. O parlamentar frisou que a possível criação de dois estados acarretará no desequilíbrio das forças políticas, uma vez que o eleitorado do Pará passaria a eleger não mais três senadores, mas nove. 
A Constituição fixa um piso de oito deputados e três senadores por estado. O Pará tem 17 e três, respectivamente. Se novas vagas não forem criadas nas casas legislativas, as vagas existentes " 513 de deputado e 81 de senador " terão que ser redistribuídas, o que reduziria a quantidade de representantes em todas as unidades da Federação. O desmembramento do Pará, mesmo com o consentimento da maior parte da população paraense, dependerá de aprovação do Congresso e de sanção presidencial.

domingo, 14 de agosto de 2011

Santa Luzia debate a segurança alimentar

A primeira Conferência Municipal de Segurança Alimentar de Santa Luzia do Pará, será realizada nesta segunda 15/08 a partir das 08:30 da manhã na escola Florentina Damasceno. Organizada pela Secretaria Municipal de Assistência Social - SEMAS.
Programação do Evento
7h00– Recepção e credenciamento

8:30h– Cerimonial de abertura:
·         Sr. Lourival Fernandes de Lima – Prefeito Municipal
·         Zaqueu Salomão - Vice-Prefeito
·         Maria Lucia Machado – Presidente da Câmara Municipal
·         Edson Farias – Vereador (Líder do Governo na Câmara)
·         Maria José Xavier de Lima - Secretária Municipal de Assistência Social
·         Lucivania da Silva Blandtt – Secretária Municipal de Saúde
·         Viviane Araújo – Secretária Municipal de Educação
·         Edson Martins – Secretário Municipal de Obras e Infra- estrutura/Coordenador do Governo
·         Jorge Cirino – Secretário de Agricultura
·         Representantes do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional,
·         Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará-CEDENPA (Nazaré Girardhi).  
9h00– Aprovação do Regimento da I Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional
9h30 Lanche  
09h 45- conferencia magna: Eixo I – Avanços, ameaças e perspectivas para a efetivação do direito humano à alimentação adequada e saudável e da soberania alimentar
Eixo II – Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional
Eixo III – Sistema e Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional
10h45 – Debate
11h15- Formação dos Grupos de Trabalhos
12h 30– Intervalo para almoço

TARDE

13h45– Dinâmica
14h00- Plenária Final – Apreciação e votação das propostas dos Grupos de Trabalho.
15h00– Eleição dos (as) delegados (as) e suplentes.
16h30 – Encerramento, Apresentação Cultural  
17h00- Coquetel

É dia dos pais

recados para orkut

sábado, 13 de agosto de 2011

Aniversário de Sandra Oliveira

O aniversário em comemoração aos 23 anos da companheira Sandra Oliveira foi realizado ontem no km 48 de santa Luzia e contou com a presença de diversas personalidades da música Luziense.
O correio Luziense esteve presente registrando todos os momentos da excelente festa organizada pelo esposo da cantora Wando dos teclados, festa que contou com a participação especial dos amigos do casal como Wellington dos teclados, André Sales, Renatinho e seus teclados e a surpreendente participação do vereador Nando do PSB Luziense.
 

VI Conferência de Assistência Social

A VI conferência de Assistência Social de Santa Luzia do Pará, foi realizada nesta sexta 12/08 na sede do Sintepp Luziense, e teve como objetivo realizar um grande debate referente a política de assistência social no município de Santa Luzia do Pará, além de eleger delegados para a conferência estadual que será realizada em outubro na capital do estado.
O rico debate foi referendado com a participação de Dilma Vinagre, presidente do Conselho Estadual de Assistência Social, abordando temas como: 1 - Estratégia para a estruturação da gestão do trabalho no SUAS, 2 - Reordenamento e qualificação dos serviços Socioassistenciais, 3 - Fortalecimento da participação e do controle social, 4 -  A centralidade do SUAS na erradicação da extrema pobreza no Brasil.


Confira quais serão os nossos delegados na Conferência Estadual.


DELEGADOS TITULARES:

Marcia Cecilia de Jesus
CRESS/CRAS- Trabalhadora

Ielda Liberato de Souza
ALPD – Associação Luziense do Portador de Deficiência – Sociedade Civil organizada

DELEGADO SUPLENTES:
José Gonzaga Paulino da Cunha
AVPS- Associação Vida para Sempre
Alessandra dos Reis Conceição - ECRAMA

DELEGADOS TRABALHADORES
Thais Monique Leray – Titular
 Maria de Nazaré Souza de Jesus- Suplente
Ivancy Fernando da Costa Lisboa- Titular
Teonice Yara Machado Pontes – Suplente

DELEGADA DO CONSELHO  ESTADUAL DE ASSISTENCIA
Dilma Mendonça Vinagre

Círio 2011


quinta-feira, 11 de agosto de 2011

VI Conferência de Assistência Social


Confira a programação da Conferência.


7h30mim às 10h– Credenciamento
8h00 – Café da Manhã
9h00 – Mesa de Abertura:
·         Sr. Lourival Fernandes de Lima – Prefeito Municipal
·         Zaqueu Salomão - Vice-Prefeito
·         Maria Lucia Machado – Presidente da Câmara Municipal
·         Edson Farias – Vereador (Líder do Governo na Câmara)
·         Maria José Xavier de Lima - Secretária Municipal de Assistência Social
·         Lucivania da Silva Blandtt – Secretária Municipal de Saúde
·         Viviane Araújo – Secretária Municipal de Educação
·         Edson Martins – Secretário Municipal de Obras e Infra-estrutura/Coordenador do Governo
·         Maria Helena Melo – Presidente do Conselho Municipal de Assistência Social
·         Thais Leray – Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente
9h15 – Aprovação do Regimento Interno
9h45 – Conferencia Magna: Consolidar os SUAS: com a valorização dos trabalhadores e a qualificação da gestão dos serviços, programas, projetos e benefícios.
10h30 – Mesa
              tema I: Estratégias para estruturação da gestão do trabalho no SUAS;
11h00 – tema  II -  Reordenamento e qualificação dos serviços socioassistenciais;
11h30 – tema III – Fortalecimento da participação e do controle social;
12h00 – tema IV -  A centralidade do SUAS na erradicação da extrema pobreza no Brasil. 

12h30 – Almoço

13h45 – Dinâmica

14h00 – Inicio dos Trabalhos de Grupo

15h00 – Apresentação, apreciação e votação das propostas dos Grupos de Trabalho.
15h45 – Eleição dos(as) delegados(as) à VII Conferência Estadual de Assistência Social.
16h15 - Plenária de homologação dos(as) delegados(as) e suplentes eleitos.
16h30  – Encerramento Oficial 
16h45 – Coquetel e Música ao Vivo