quinta-feira, 6 de maio de 2010

"Até eu vou querer plantar palma", diz o presidente Lula em Tomé-Açu.

"Até eu vou querer plantar palma", disse o presidente Lula, em Tomé-Açú, ao lançar na manhã desta quinta (6) o Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil naquele município. Ao ler a informação de que os produtores de dendê das regiões do Guamá, Tocantins e Capim receberão um salário enquanto aguardam a colheita do plantio, o presidente Lula fez uma brincadeira para chamar a atenção para os incentivos assegurados pela Petrobras para garantir a produção .
"Boto a mudinha lá, jogo uma uréia e ainda recebo salário. Até eu vou querer plantar palma", disse Lula, ao alertar, contudo, que o plantio não deve ser feito sem um contrato formal com a empresa. "Não é pro companheiro inventar de plantar sem antes assinar contrato", advertiu, ao explicar que é por meio desse documento que o agricultor receberá a muda e terá condições de pagar o financiamento, por causa da garantia de assistência técnica e segurança na venda do que for produzido. São 900 parceiros na agricultura familiar e a meta é chegar a 13 mil até 2014. "Só temos que estar espertos para o preço da venda do quilo do óleo. Já não estarei na Presidência, mas vou ficar de olho, para garantir um preço justo no futuro".


Lula disse que o Estado não pode mais se resignar ao papel de simples fornecedor de matéria-prima. "Não pode se contentar só com exportar madeira e minério de ferro. Precisamos gerar emprego e renda neste Estado. Por isso, a Petrobras está investindo no Norte e Nordeste. Nós aqui no Pará vamos produzir dendê pra colocar no feijão, na moqueca e para despoluir o mundo, com óleo limpo, gerador de riquezas, emprego e renda para colocar no tanque dos carros que produzimos", disse o presidente Lula.

Nenhum comentário: